O Que é DRE (Demonstração de Resultados do Exercício)

DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) Como funciona, as vantagens e como montar o seu
Renan Lopes - 10/11/2016

A DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é um dos relatórios mais simples e mais importantes que sua empresa deve possuir, juntamente com o DFC (Demonstração de Fluxo de Caixa). Cada um deles tem o seu propósito e são mutuamente relevantes.

Neste post vamos abordar tudo o que você precisar saber sobre este assunto, e na lista a segir disponibilizamos todos tópicos abordados por nossa equipe, desta forma você poderá utilizar os links abaixo para ir diretamente para a sessão que é mais importante para você, ou se preferir, leia a matéria por completo e conheça tudo a respeito do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício).

Navegue neste post clicando abaixo:

O que é DRE (Demonstração de Resultados do Exercício)?
Como funciona?
Qual sua importância?
Como montar um DRE para minha empresa? (versão completa)
DRE simples (versão simplificada)
Nota Importante
Regime de Competência
Regime de Caixa
Como devo analisar o DRE?
Análise Horizontal
Análise Vertical
É muito trabalhoso criar um DRE?
O DRE vale a pena para autônomos e informais?
Preciso de um contador?
Relatórios Relacionados
Conclusão

O que é DRE?

A DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é um relatório contábil e administrativo que oferece de forma agrupada um resumo das despesas, das receitas e do lucro ou prejuízo final de empresa dado um determinado espaço de tempo (geralmente 12 meses), utilizando-se do regime de competência.

Para fins legais, este relátorio deve ser gerado uma vez ao ano contendo todos os dados daquele período de 12 meses. Já para fins de caráter fiscal, o aconselhado é de 3 em 3 meses.

Uma prática muito comum e inteligente de alguns gestores, principalmente para quem trabalha com planilhas ou até mesmo com sistemas de fluxo de caixa, é a prática de gerar e analisar o DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) mensalmente ou até mesmo semanalmente.

Como funciona?

Não existe segredo na hora de gerar este relatório. Acompanhe a seguir uma visão gerão sobre quais são os dados mais importantes que o DRE deve conter e também quais informações relevantes sua empresa vai conseguir obter no final do processo.

Dados Essenciais
-Receitas brutas
-Despesas operacionais
-Depesas com impostos e tributações

Informações Obtidas
-Lucro ou Prejuízo Bruto
-Lucro ou Prejuízo Operacional
-Lucro ou Prejuízo Líquido

Qual sua importância?

Como visto no tópico anterior, conseguimos obter a partir do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) alguns dados de extrema relevância e dentre eles está o "Lucro ou Prejuízo Líquido" da empresa. Com estas informações em mãos, você poderá ver de forma clara e objetiva, o rumo que seu empreendimento está tomando.

Você poderá detectar se seu negócio está afundando, poderá averiguar também se ele encontra-se em uma situação mediana e por isto precisa de ajustes e intervenções, ou nas melhores hipóteses, você poderá constatar que a empresa vai bem e que os resultados estão de acordo com o esperado, ou ainda melhor, que eles estão excedendo as espectativas

Ao se praticar a análise minunciosa do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) ao longo dos meses, o gestor poderá tomar decisões mais acertivas sobre diversos fatores econômicos e até mesmo operacionais.

Por exemplo, suponhamos que responsável detecte através do DRE que lucro operacional está muito abaixo do normal, então, com estas informações em mãos, ele poderá agir e aproveitar o momento para fazer cortes, ajustes financeiros ou até mesmo reavaliar os processos seguidos pela empresa.

O DRE é como um clínico geral, ele irá apontar os sintoma de uma doença e direcionar os próximos passos. Uma vez reconhecido o problema, é momento do analisar as causas, origens e motivos do baixo lucro ou do prejuízo. Em um primeiro momento é indicado concentrar as atenções no fluxo de caixa e também nas contas a pagar e receber, para que seja feita uma análise mais pontual e aprofundada.

Por fim os gestores e executivos poderão solucionar e otimizar os setores e processos que estavam orignando o prejuízo.

Como montar um DRE para minha empresa?

Vimos a pouco uma resumo geral deste relatório, porém em um caso real, ele deve ser um pouco mais aprofundado. No artigo 187 da Lei das Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/1976), foi feita uma definição formal orientando como as empresas devem gerar o DRE.

Apesar desta lei existir, quando analisamos as práticas e o dia a dia das empresas, percebemos que não existe uma forma 100% correta de se montar o DRE, principalmente quando ela visa uma finalidade mais gerencial, a única regra que devemos seguir, é a de se utilizar o Regime de Competência.

Segue um modelo de DRE que você poderá utilizar em sua empresa:

(+) RECEITA OPERACIONAL BRUTA
Prestações de Serviços / Vendas
(-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA 
Descontos / Impostos e tributações sobre vendas e serviços
(=) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA

(-) CUSTOS DOS SERVIÇOS E VENDAS
Custos da prestação de serviço / Custos dos produtos vendidos
(=) RESULTADO OPERACIONAL BRUTO

(-) DESPESAS OPERACIONAIS
Despesas com a prestação de serviço / Despesas com as vendas
(-) OUTRAS DESPESAS
Por exemplo, despesas de equivalência patrimoniais
(+) OUTRAS RECEITAS
Por exemplo, receitas de equivalência patrimoniais
(-) DESPESAS FINANCEIRAS
Juros, IOF, etc
(+) RECEITAS FINANCEIRAS
Variações monetárias, dividendos, juros recebidos, etc
(=) RESULTADO OPERACIONAL ANTES DO IR / CONTRIBUIÇÂO SOCIAL / LUCRO

(-) IMPOSTO DE RENDA / CONTRIBUIÇÃO SOCIAL / LUCRO
(=) LUCRO LÍQUIDO

Ao se montar o DRE (Demonstração de Resultados do Exercício), você poderá optar por apresentar tanto dados contábeis como também diversos dados gerenciais, ou seja, nós podemos especificar um pouco melhor as categorias principais, de acordo com as suas necessidades.

DRE simples

As entradas que mostramos no tópico anterior exemplificam as que são mais comuns na construção deste relatório. Como dito antes, para atender razões gerenciais você poderá, de acordo com as necessidades de sua empresa, trabalhar utilizando relatários mais complexos ou até mesmo utilizar uma versão simplificada e objetiva.

Veja um exemplo de um DRE simples:

(+) Receita Bruta
(-) Impostos
(=) Lucro Bruto

(-) Total de Despesas Variáveis
(=) Lucro Operacional

(-) Total de Despesas Fixas
(-) Gastos com Pessoal

(=) LUCRO LÍQUIDO EXERCIDO

Independente do modelo escolhido e independente do tamanho de sua empresa, não de esqueça da importância do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício).

Nota Importante

Existe um fato que devemos prestar muita atenção em relação ao DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) e que gera diversas dúvidas e confusões: o DRE utiliza o Regime de Competência, ou seja, os valores que são visualizados no relatório nem sempre vão bater com os valores de sua conta e de seu fluxo de caixa.

Isto acontece pois quando montamos o relatório, olhamos apenas a data de competência das receitas e despesas, ou seja, a data em que elas foram originalmente agendadas para serem realizadas. Se uma conta atrasou e não foi paga, ou se você tomou o calote de um cliente e o dinheiro não entrou em sua conta, isto não será refletido no DRE (Demonstração de Resultados do Exercício).

Regime de Competência

Este é o regime usado obrigatoriamente no DRE (Demonstração de Resultados do Exercício). Neste regime as transações aparecem no dia, mês e ano em que foram originalmente programadas para serem realizadas, independente de terem sido pagas ou não. Se você fechou contrato com um cliente e o pagamento foi programado para janeiro, porém devido a dificuldades alheias o cliente atrasou o pagamento e só efetuou o depósito em março, em um relatório de regime de competência esta transação irá aparecer como realizada no mês original, ou seja, em janeiro.

Regime de Caixa

Apesar deste regime não ser utilizado especificamente neste relatório, é importante saber um pouco a respeito do Regime de Caixa pois ele é muito importante e será abordado em outros relatórios essenciais do financeiro de sua empresa. Em um relatório que trabalha com o Regime de Caixa, as movimentações financeiras aparecem apenas no dia em que foram realmente pagas, por exemplo, se você fechou um contrato para receber em janeiro, porém o cliente só te pagou em março, no regime de caixa esta transação vai aparecer como realizada no dia em que você recebeu o dinheiro, ou seja, em março.

Como devo analisar o DRE?

Pelo fato do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) ser baseado na competência das movimentações, a sua forma de análise é diferente de como analisamos um simples fluxo de caixa e é diferente também da maneira a qual devemos analisar um DFC (Demonstração de Fluxo de Caixa).

Quando falamos de DRE, as duas análises mais conhecidas são a Horizontal e a Vertical.

Análise Horizontal

Para se aplicar a Análise Horizontal do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício), vamos precisar comparar o relatório de dois períodos distintos, por exemplo, comparamos o DRE do primeiro semestre do ano com o DRE do segundo semestre do ano. Esta análise é bem simples e fazemos apenas um breve comparativo entre os números brutos e analisamos quais são as despesas que aumentaram e quais são as receitas que diminuíram.

Este método proporciona uma análise rápida e superficial, porém é um bom ponto de partida pois você poderá encontrar rapidamente variações bruscas que podem ter ocorrido ao longo do período. Para uma visão mais crítica e apurada, é recomendado partir para a Análise Vertical

Análise Vertical

Para se conseguir efetuar uma análise Vertical do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é necessário incluir no relatório a porcentagem que cada receita e despesa representa em relação a Lucro Bruto.

Vejamos um exemplo prático: Suponha que o Lucro Bruto de sua companhia foi de R$ 1000,00 em um ano e que sua despesas operacionais foram de aproximadamente R$ 250,00 neste mesmo periódo, isto significa que seu operacional está consumindo cerca de 25% do faturamento total.

Já no ano seguinte, você constatou que o Lucro Bruto de sua empresa subiu para consideráveis R$ 1700,00, porém ao mesmo tempo, as despesas operacionais deste empreendimento subiram para R$ 850,00.

Analisando os dois cenários acima e aplicando a análise vertical no DRE (Demonstração de Resultados do Exercício), avaliamos e percebemos que no segundo caso, apesar do lucro bruto ter aumentado em 70%, as despesas operacionais foram de 25% para incríveis 50%.

Para quem tem o costume de olhar apenas para o Lucro Bruto, vai acabar supondo que os negócios estão crescendo e tudo está ok, porém ao se analisar detalhadamente os números, percebemos que não é bem assim. As despesas operacionais estão proporcionamente muito além do esperado. Neste caso o gestor deve se atentar a situação e procurar investigar mais a fundo e reavaliar as altas despesas que foram detectadas.

Este tipo de análise é facilitada quando se usa algum Sistema de Fluxo de Caixa ou então quando se usam planilhas bem elaboradas. Nestes dois casos, além de poder visualizar os resultados de forma textual e em tabelas, é possível, mesmo nas planilhas, serem gerados gráficos visuais que auxiliam no entendimento dos resultados. A utilização de gráficos é muito interessante mas deve-se tomar cuidado pois variações muito pequenas podem passar despercebidas.

É muito trabalhoso criar um DRE?

A grau de complexidade para se desenvolver este relatório vai variar muito de como você controla as contas a pagar e receber de seu empreendimento. Algumas empresas pequenas e autônomos que não gostam muito de tecnologia, fazem o controle na ponta do lápis.

Apesar desta metodologia ser muito arriscada e suscetível a inúmeros erros, ela pode funcionar caso sua empresa seja pequena e simples. Todas as despesas e receitas devem ser anotadas e categorizadas de forma minunciosa. É recomendado utilizar um caderno separado para cada categoria, assim tudo fica mais organizado.

Para as empresas que já deram o próximo passo e estão começando a se informatizar, é comum o uso de planilhas para se contralar o fluxo de caixa. Através das uma planilha bem feita e de qualidade, é possível gerar um DRE de forma rápida e sem transtornos. A única contra indicação da planilha é quando a segurança, pois seu computador pode ser roubado, pegar um vírus ou o documento pode vazar.

A outra opção indicada para acompanhar diariamente o DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é através da utilização de sistemas de computador. Hoje em dia existem tanto sistemas totalmente online, como também sistemas que podem ser instalados em seu computador,

Cada um tem sua vantagem e desvantagem, porém em ambos os casos, a utilização de um sistema automatizado trás inúmeras vantagens como a segurança do dados, a geração de relatórios em tempo real, a possibilidade de se pesquisar os registros financeiros de forma instantânea e etc. Para entender melhor sobre as diferenças entre os dois tipos de sistema, confira nosso post Sistema Web vs Sistema Local.

Caso opte pela opção voltada para a tecnologia, a equipe do blog indica o nosso Sistema Soma - Sistema de Contas a Pagar e Receber que vai te ajudar a controlar seu fluxo de caixa e visualizar relatórios importantes para medir a performance de sua empresa.

O DRE vale a pena para autônomos e informais?

Como visto, o DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) é muito mais que um simples relatório financeiro, ele também tem propósitos gerenciais que vão ajudar em muito na tomada de decisões estratégicas de seu empreendimento, então vale a pena sim, mesmo que você seja um autônomo ou que sua empresa tenha uma contabilidade muito simples.

Além disto, pelo fato de você já conhecer a fundo este relatório e possuir a cultura de gerenciar seu financeiro, será muito mais fácil quando chegar o momento de dar o próximo passo e começar a crescer e expandir seu empreendimento.

Preciso de um contador?

Apesar de ser sempre bom ter um profissional qualificado que possa lhe auxiliar nas questões financeiras, você poderá criar seu DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) por conta própria, mas para isto, é essencial que você controle de forma precisa todos os gastos e recebimentos de seu negócio. Uma dica importante principalmente para autônomos é não confundir os gastos pessoais com os gastos da empresa.

Profissionais liberais e pequenos empreendedores geralmente não possuem uma conta da empresa e acabam utilizando o cartão de crédito pessoal. Aquela parcela da televisão nova que você comprou não deve entrar em seus relatórios de seu negócio, fique muito atento na hora de diferenciar os gastos, isto é essencial para a saúde financeira da empresa e para que você possa ter dados reais das despesas operacionais.

Relatórios Relacionados

Além do DRE (Demonstração de Resultados do Exercício) existem alguns outros relatórios importantes que estão relacionados ao DRE. Um deles é o DFC (Demonstração de Fluxo de Caixa) que é bem parecido com o DRE porém utiliza o Regime de Caixa como parâmetro base para apurar as movimentações financeiras do período.

Um outro relatório que está incluso no contexto é o Balanço Patrimonial, que como o nome sugere, tem a finalidade de demonstrar, em um dado periodo de tempo, a situação financeira da empresa relacionada a seu patrimônio, sendo sua composição constituída basicamente pelos Ativos, Passivos e o Patrimônio Líquido.

Gostariámos de deixar aqui uma dica muito simples, recomendamos que sempre olhem o DRE juntamente com o DFC, lado a lado, pois quando combinamos os dados do Regime de Competência juntamente com os dados de um Regime de Caixa, a visão estratégica fica muito mais apurada. Cada um tem o seu próposito e emparelhados se tornam uma ferramenta essencial para gerir adequadamente qualquer empresa.

Conclusão

Independente da escolha do papel, planilha ou sistema, o importante é manter seu financeiro organizado e atualizado. Segundo o IBGE (2014) mais de 60% das empresas fecham antes dos primeiros 5 anos de idade.

Apesar de diversos fatores estarem contribuindo para este insucesso, é certo afirmar que dentre eles está a falta de organização financeira e também o despreparo e a falta de conhecimento do novo empreendedor. Para evitar esta situação, aumente suas chances de sucesso cuidando desde o início da saúde e da organização financeira de seu empreendimento.

Existem inúmeros materiais de qualidade espalhados pela internet, mas se você quer ser certeiro em suas empreitadas, procure sempre a ajuda de profissionais qualificados e também se apoie em sistemas e sofwares que possam te ajudar a organizar a área financeira com acertividade, isto pode lhe evitar muitas dores de cabeça e até mesmo economizar seu precioso tempo, permitindo que você foque seus esforços naquilo que realmente gosta e se destaca.

Dúvidas?

Se após ler esta matéria você ficou com alguma dúvida, não hesite em postar nos cometários abaixo pois tentaremos sanar todos os questionamentos que surgirem a longo do tempo. Também ficamos aberto a sugestões de inclusão de informação caso tenha faltado algum ponto importante neste conteúdo.

Além disto convidamos a todos os leitores a conhecerem melhor o nosso Blog, postamos semanalmente matérias relacionadas ao Empreendedorismo, SEO e Marketing, Gestão Financeira e Dicas Diversas.

Organize Suas Contas Com o Sistema Soma - Comece Grátis


Gostou de nossa matéria? Não se esqueça de compartilhar nas redes sociais e de se inscrever em nossa Newsletter para receber mais matérias como esta e também conteúdos gratuitos sobre empreendedorismo, finanças e marketing. Em caso de dúvidas, críticas ou sugestões, deixe seu comentário logo abaixo.

Tem 29 anos, empresário e formado em Ciência da Computação com pós-graduação em Tecnologias Web e MBA em Gestão de Projetos. Aficionado por tecnologia, empreendedorismo e finanças.
Últimos posts do autor

Participe e Comente